sábado, 15 de junho de 2013

Queda livre


Ele e ela estão saltando de paraquedas.

ELA: Meu Deus!
ELE: Isso é tão maravilhoso!

Ela não responde.
Ele insiste.

ELE: Não é maravilhoso?
ELA: Um pouco.

Ela não parece achar maravilhoso.
Ele percebe.

ELE: O que foi?
ELA: Acho que eu vou vomitar.
ELE: Fica calma.

Ela ri um riso nervoso.

ELA: É uma tarefa bem simples, considerando que eu tô despencando de sei lá quantos metros de altura...

Ele interrompe.

ELE: São...

Ela interrompe.

ELA: Não! Não diz! Não quero saber a altura.

Ele desconversa.

ELE: Não parece que somos grandes? Olha pra baixo.
ELA: Não posso, senão eu vomito.

Ele insiste.

ELE: Olha pra baixo.

Ela olha.

ELE: Olhando tudo daqui não parece que somos grandes?
ELA: Parece.
ELE: Mas, ao mesmo tempo, não dá uma certeza de que não somos nada?
ELA: Como assim?
ELE: Ao mesmo tempo em que eu acho que sou enorme, porque tudo me parece tão pequeno, eu me sinto um nada, porque tenho certeza de que sou só mais uma pequena parte daquilo tudo que tá lá embaixo. Entendeu?
ELA: Entendi.
ELE: E aí?
ELA: Não sei. Nunca tinha pensado nisso antes. Nunca tinha saltado de paraquedas.
ELE: A gente salta de paraquedas todos os dias e nem percebe.

Ela não entende.

ELE: Como agora, por exemplo.

Está na hora de abrir o paraquedas.

ELE: Eu te amo.

Nenhum comentário: