domingo, 16 de novembro de 2014

Memorial Isla Negra, de Neruda



Entrada do museu


Confesso que quase nada conhecia da vida e obra de Pablo Neruda. Em recente viagem ao Chile, pesquisando sobre pontos turísticos do país, descobri que o poeta é um dos grande ídolos nacionais, e suas três casas no país foram transformadas em museus: La Chascona, na capital; La Sebastiana, em Valparaízo e Isla Negra, no povoado homônimo, às margens do Pacífico. Esta última é talvez a mais popular, por abrigar os restos mortais de Neruda e de sua terceira esposa, Matilde Urrutia.





É difícil chegar a Isla Negra. Fomos de excursão, e é fácil reparar que inexistem placas nas rodovias indicando o lugar. Em resumo, só se sabe que está em Isla Negra quando já estamos lá.

Pagamos eu e minha esposa Mônica 10000 pesos para a entrada, o que equivale a uns 45 reais. Todos os turistas recebem um aúdioguia no idioma de sua preferência e faz o percurso pela casa e pelo terreno por conta própria.




Ao final do passeio, chega-se a uma lojinha, com vários produtos temáticos a Neruda. Estão lá seus livros e tanmbém livros de outros autores que tratam de sua obra. Além disso, também se encontram camisetas e artesanato. Comprei um livreto com fotos dos três museus, o famoso "Vinte Poemas de amor e uma cancão desesperada", em espanhol, e "Viaje a la poesía de Neruda", de Bernardo Reyes, que percorre as casas em que o poeta já morou, contextualizando sua poesia ao do ambiente em que viveu em toda a vida.

Infelizmente, não é permitido fotografar o interior do museu.




Meus tesouros



Após o passeio, vale uma caminhada pela praia em frente. O Pacífico, nesse trecho, nada tem de pacífico, as ondas arrebentam forte e há muitas pedras. Sem contar o frio da água.




Há um café no local, onde pode-se curtir o visual do oceano bravio ao lado







video

Vídeo retratando o mar em frente ao museu

Nenhum comentário: