sexta-feira, 18 de setembro de 2009

ARITMÉTICA NOTURNA

Dois copos
um cinzeiro
várias idéias
nenhum rumo

Seis cervejas, dois whiskys
mililitros alcoólicos
dez da noite
noves fora
páginas rabiscadas
péssima caligrafia
sem enxergar direito
tentando escrever poesia:
completamente bêbados
não fizemos porra nenhuma
só o de sempre.

2 comentários:

Clayton Ângelo disse...

Oi Larissa, tudo bem?! Gostei muito dessa aritmética noturna, algo assim boêmio e poético. É isso aí: a ressaca da criação só é boa quando bebemos na fonte da inspiração. Abraços

FláPerez (BláBlá) disse...

fiquei até enjoada com tanta mistura de bebidas.
bloqueios...