domingo, 24 de outubro de 2010

do livro comerciais de metralhadora


...


Faço para ti um colar de cobra coral

Orno teus pés com chocalhos de cascavel


tua foto sorri no sorriso da boca do sapo

Oferto teu boneco de vodu às pás do arado


(revivo tuas cicatrizes de criança

reescrevendo o idioma de sua dor)


Selo um verso para ti com a brasa de meu cigarro:

um buraco é o teu ponto final




5 comentários:

Graça Carpes disse...

Que vudu... hein?!
Há força em suas palavras.

L. Rafael Nolli disse...

Sabe, Graça, esse é um dos poucos poemas que escrevi que não possui título. Pensei em "vudu" dentre outros, mas nenhum ainda me pareceu apropriado! Valeu pela leitura!
bjs

Glauber Vieira disse...

Opa, texto forte, apreciei muito.

Rodrigo Passos disse...

gostei é o tipo de poema que paro, analiso, e aplaudo!!

Flávio Otávio Ferreira disse...

camarada, muito bom o poema! Forte, pulsante e com um fechamento sensacional pela simplicidade da imagem que remete a algo muito mais além.
Abraços.
Paz e Literatura!!!