quinta-feira, 4 de junho de 2009

estátua mutilada

Rabisquei muitas vezes
até ter de volta as palavras
por vezes e vezes tentei
obter o vislumbre das rosas

em minhas mãos
só o ardume do cheiro
que verte do tédio

sofri co'vazio de não ter
respostas

Sôfrega entre sombras
rumei inquieta

Sou estátua mutilada
que grita, improvisa
porém, não inanimada,
meu risco é certo,
viver é o melhor dos mistérios

Caroline Schneider

2 comentários:

Rui disse...

De mutilada a prontamente restaurada, essa é a estáua Mãe, Amada Mulher Linda e guerreira, que mesmo abalada Procura, apenas não esqueça de não se perder nas buscas. Pois o que encontrares terás que em ti e Muito pertinho procurar.
Acredita, está tudo visível. AQUI
BEIJÃO - Seu Regresso está Divino

poeta matemático disse...

Hum...

Doce e suavemente melancólico...

Mas tão bonito...

Amei