terça-feira, 23 de março de 2010

Mentiras que vão, mentiras que vem...


_Alô?
_Oi querido! Já está todo mundo aqui, só falta você...
_Eu sei, mas ainda vou demorar um pouco. Como estão as coisas por ai?
_Todo mundo se divertindo muito, ela é uma ótima anfitriã, tenho que admitir.
_Ahã... ela é boa em muitas coisas...
_Ah não! Você vai começar a elogiá-la pra mim? Eu a conheço muito bem, seis quais são as qualidades dela, assim como sei quais são as suas, mas parece que você não conhece as minhas...
_Delícia, te conheço como a palma da minha mão e sei que você está magoada comigo, mas por favor, não faça nada para se arrepender mais tarde.
_Querido, eu amo você e nada mais me importa...
_Eu também amo você, e você sabe disso, mas por favor não faça drama à essa hora.
_Drama? Eu? Não estou fazendo drama!!! Como você acha que eu deveria agir? Estou sozinha na festa da sua esposa, na sua casa, e ela está só esperando por você para compor a imagem do casal feliz e cortar o bolo... eu não sei se consigo mais fingir que não sinto nada... Você prometeu...
_Sei o que prometi meu amor, mas tente entender, quando eu casei com ela eu queria construir uma história, mas de repente apareceu você com seus lábios carnudos e esses seios fartos, parecendo que iria resolver todos os meus problemas, me oferecendo um mundo novo, e eu não pude resistir... mas não consigo deixar minha mulher, entenda...
_Entenda uma ova! Eu fico todas as noites te esperando, sozinha, e você aparece quando bem quer, além de me fazer passar por situações ridículas como essa...
_Mas você não é minha convidada para essa festa, lembra-se disso???
_Como poderia me esquecer do que estou fazendo com minha irmã? Ela que sempre me ajudou em tudo, me ouviu, me acolheu... Você não passa de um grande canalha!
_A culpa agora é minha? Você sabia como eu era antes mesmo de se insinuar pra mim! E não reclame, eu faço o máximo para manter vocês duas felizes o tempo todo, você pensa que é fácil pra mim?
_Você pensa que é muito bom não é mesmo? Pois saiba que ela desconfia de você, ela já me confidenciou isso uma vez, mas não acredito que ela desconfie de mim, já que eu sou família... ela sabe que eu tenho alguém, mas não imagina quem seja.
_Não é possível, eu procuro ser o mais natural possível, principalmente quando você está por perto... como foi que ela...?
_Não seja ridículo! Que mulher não desconfia de um marido que fica quase a semana toda viajando e quando está em casa nunca larga o celular? Ela não é boba, e eu não agüento mais essa situação. OU_VOCÊ _DÁ_UM_JEITO_ NISSO!!!...
_Clarinha, o que foi? Aconteceu alguma coisa?
_Não Lia, fique tranqüila, continue sua festa, está tudo bem.
_E o Anderson que não dá sinal de vida hein...
_Calma meu bem, ele ainda vai chegar a tempo, você vai ver. Tente falar com ele mais uma vez. - Você viu só o que eu tenho que fazer? Enganar friamente minha própria irmã. Onde eu estou com a cabeça que não abandono esse caso com você e vivo minha vida como tem que ser? Porque eu sou incapaz de fugir e arrumar um cara que goste de mim de verdade, que me mereça?
_Por que eu gosto de você exatamente assim, como você precisa ser amada, e não te enganei um só minuto, não vou deixar minha esposa para ficar com você.
_Canalha! Ingrato! Infelizmente eu te amo demais... mas não pense que ela não vai saber disso um dia...
_Você não seria capaz...
_Não me desafie. Experimente não aparecer em minha casa hoje depois dessa festa ridícula para você ver se eu não conto tudo pra ela. Não tenho nada a perder.
_Cale a boca! Tenho outra chamada, espera ai. – Oi meu amor! Sim, já estou a caminho, mas o trânsito está muito ruim... assim que eu sair desse túnel eu....
_Você sempre tem resposta pra tudo não é mesmo. Espere, ela está vindo na minha direção, parece que vai falar alguma coisa... – Oi Lia, estou numa ligação.
_Eu sei Clarinha, mas você já está aí sozinha faz um tempão. Não quer se juntar à alguns amigos meus, eles querem muito te conhecer?
_Lia, já te falei para não tentar me arrumar namorado, eu não tô afim... E tem mais, já está na hora de você saber de uma coisa. Só um instante – Oi querido, vou falar um segundo com a minha irmã e a gente já conversa tá. Te amo, um beijo.
_Sua louca! Não abra essa boca, eu acabo com você... – desligou na minha cara.
_Minha irmã querida, o que eu vou te falar dói mais em mim do que em você, mas não tenho mais como esconder isso...
_Fala logo, tá me deixando nervosa. É alguma coisa com o Anderson?
_Calma... não sei como explicar mas... por favor me perdoa... é que eu não lhe comprei nenhum presente de aniversário...
_Ah! Mais essa agora. Querida, não se preocupe, ter você aqui já é mais que suficiente. Mas chega, me dá esse celular e vá conversar com o pessoal. Divirta-se um pouco!
_Eu amo você.
_Eu também. Me dá aqui um abraço... Olha lá, quem é vivo sempre aparece. O Anderson acabou de chegar. Amor! Que cara é essa?
_Oi meu amor, você está bem? O que essa ordinária te fez?
_Calma querido, não fale assim com minha irmã... ela só estava se desculpando por não me trazer presente, não é nada importante, não é Clarinha?
_Claro Lia, eu jamais magoaria você.
_Sua irmã é um doce querida. Eu gosto dela quase como se fosse minha própria irmã.
_Ah! Anderson, que ótimo. Somos realmente uma família feliz!
_Somos sim meu amor, muito felizes, os três.

2 comentários:

Cris Linardi disse...

Joana e a fina arte de contar a realidade.
Excelente!
Beijos!

Paco * disse...

Nossa, mto tenso!
Adorei!

Vida real uh lá lá