terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Letras em teu Corpo - Flá Perez


Como Chico Buarque,

fazemos poesia e amor até bem tarde.
E ela acorda cedo de manhã.

Beija minhas costas, me acarinha .
Eu a puxo de volta, vasculho seu corpo,
encosto todo meu desejo nela.

Mulher que penso submissa, abelha rainha ,
se desvencilha e sai apressada.

Durante o dia sinto seu cheiro em minhas mãos,
nos lábios,
refaço cenas, passo a passo.

À noite, quando chego da minha lida,
a encontro na cama,
cabelos molhados, adormecida.
Por um tempo velo seu sono,

- algum tremor passageiro, algum sonho –

Não me contenho: exploro, farejo, beijo.
Minha felina se estica, abre seu sorriso mais lindo,

Abre as pernas e me recebe.
Quente, quente, quente!.
Então começamos tudo de novo...

Ah! vida meio vagabunda essa da gente!
Que não acabe nunca!

(Poema de 2007, meu primeiro com eu-lírico masculino)

6 comentários:

Glauber Vieira disse...

Muito bom, erotismo na medida certa!

FláPerez (BláBlá) disse...

Obrigada!
bjbjbj

Paco * disse...

Ei Dona Perez!
Adorei seu texto, tomei um susto quando vi seu nome ali embaixo.
Muito coisa de homem algumas coisas ali.
kkkkk
MTo bom!

L. Rafael Nolli disse...

Acertou em cheio, no lirismo, no erotismo... E tem um molejo bacana.

FláPerez (BláBlá) disse...

ah, Paco, é que eu já decifrei os homens , rsrsrsrsrs

bjbjbj

FláPerez (BláBlá) disse...

Rafael, é isso mesmo! quis carregar no molejo, tentei ser músical, preguiçosa e lãnguida.
bjbjbj