domingo, 11 de abril de 2010

O Trem


Da janela eu vejo a mata, o sol azul, um edifício não acabado, a praça. Todo dia um trem passa apitando na mesma avenida aonde os carros vão passando, contrastes da modernidade. A avenida para, as pessoas nem ligam, estão acostumadas com isso, mas a minha mente para nesse momento, como se o apito do trem me chamasse a viajar. Minha namorada disse que eles não deixam viajar no trem, ainda não estou convencido, a estação continua lá, no mesmo lugar que o trem insiste em parar, todo dia, me olhando, chamando a passear. Já pensei em ir correndo e falar com o maquinista, será que ele vai me achar muito louco, na verdade nem pensei no que ele vai achar. Calma antes que vocês digam, ele passa muito lentamente, não há perigo. Hoje pela manhã as crianças saíram para passear e fui convidado também, até pensei em ir, quando ouvi falar em trem, mas desisti e saí de mansinho, ninguém percebeu que corei ao saber que era um trenzinho. Viajei doze horas para chegar aqui, mas não me importaria se levasse dois dias e sei que teria muito mais graça, se a viagem fosse numa Maria Fumaça. Toda vez que vou até o mercado e passo sobres os trilhos, meus olhos ganham um novo brilho. Na primeira segunda feira que estava aqui, fui conhecer a cidade de ônibus com a dona Geni e agora uma idéia me vem à mente, será que se eu pedir como as crianças, a vovó me leva pra andar de trem?


Joakim Antonio

2 comentários:

Flávio Otávio Ferreira disse...

Trem bão é andar de trem!!!
rsrsrs
Abraços!!!

Re Fagundes disse...

Chegou me dá um trem no peito de tão emocionada :D

Amooooooo

beijoooo