domingo, 2 de maio de 2010

Poema

É quase maio
E meus dias se esparramam
Repletos de um gosto de sal
Semeados de pássaros

É quase maio
E o amor se entorta em mim
Como cavalo guernica
Rabisco traçado em tela

É quase maio
E tua boca de rosas
Exala silêncio

2 comentários:

Valvesta disse...

Gostei do seu quase, e ainda tem silencio...abraços ainda em maio.

geison disse...

gostei do poema
achei eçelenti