sábado, 19 de junho de 2010

A FESTA

Era uma festa pequena. Fechada. Sempre no fim de um semestre. Gente importante. Negócios. Uma surpresa no final da reunião. O anfitrião da vez escolhia. Idéia do diretor. Relaxar os ânimos.

Chegou a hora. Todos curiosos. O mais velho esfregava as mãos. Meu chefe sorriu. Tinha culpa nos olhos.

A porta lateral abriu. Uma moça entrou. Era ela. Sem dúvida. Colocaram uma música de fundo. Ela me viu. Procurei uma porta para sair. Ela começou. Fugi discretamente. A tempo. Fiquei na sala ao lado. Esperei acabar. Ouvi os risos. O tilintar dos copos. Os elogios do bom serviço. Dela. E voltei.
Procurei-a com os olhos. Estava na porta. Indo embora.
Chamou-me com o dedo. Andei devagar. Era ela mesmo.
- Não fique assim. Meu pai sabe.
- Eu sei que ele sabe.

2 comentários:

CeliaAlma disse...

Eu é que não sabia.lol.

CeliaAlma disse...

Desceu a escada até ao fim, sempre esperando cair possivelmente dormir.

Não aconteceu. MAS ELA NUNCA SABERIA.