quinta-feira, 1 de setembro de 2011

artificial

já não suporto essa natureza frágil
que me inspira amores eunucos
e perfumes presos à lendas

tentei por anos retirar a bonequinha
loura e perfeita que me impuseram
velei e enterrei todas em meu quintal

e de certa forma elas voltam mortas
para atacar essas pequenas verdades
quem dera a beleza não valesse nada

tentei ser Monalisa de sorriso mestiço
sem adornos nos olhos, sem vaidades
seguem-me peitos sal e risos postiço.

2 comentários:

l. f. amancio disse...

Acidez na medida certa, bela sucessão de palavras.

Larissa Marques disse...

grata.