segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Folhetim


Sexta-feira. Carnaval. Meio-dia e meia. Ao telefone, ele diz que tudo foi lindo e deve ser guardado como um pequeno tesouro. Para sempre. No seu coração. Dele. Que não suportaria sofrer de novo. Ela ri. Disfarça o nó na garganta.Conversa mais um pouco. E desliga. Com um beijo. Foram tantos, pensa, olhando a fantasia sobre a cama. E não sobreviveram a um único carnaval. 




Márcia Maia


3 comentários:

samuca santos disse...

ando curtindo muito o desafio das h(e)istórias curtas. gratificante ler uma bem amarrada e resolvida como esta.

Francisco Coimbra disse...

8º TESTAMENTO
Deixo o Natal, quem o quiser celebrar pode pensar em Jesus, nas crianças, prendas, a_prenda: o que invento é só uma estória!

Alberto Pereira disse...

Muito bom!