sexta-feira, 20 de abril de 2007

NOSSO TEMPO (carta para os humanos)

Quero agradecer a Larissa que me convidou para participar deste projeto e estar ao lado de grandes escritores.
Meu primeiro post foi escrito há 1 mês atrás e foi uma grata coincidência postá-lo hoje, pois acabei de ver o documentário "Uma verdade incoveniente" do candidato derrotado à presidência da república dos EUA Al Gore.
Amigos, já é passada a hora de cuidarmos de nosso planeta!




Querida, vivemos em um tempo muito diferente de tempos atrás, um tempo que não pede trégua, não nos acolhe nem justifica nossa existência.
Nosso tempo dá voltas ao redor de tudo e de todos, nos comprime e oprime em questões fundamentais, para de propósito, nos afastar do foco.
Nosso tempo, criado a nossa imagem, nos devolve o retrato fiel do que realmente somos hoje.
Crimes hediondos, pais e filhos hediondos, governos hediondos, filosofias, partidos e homens hediondos.
O mundo gira sem peso, sem centros, sem acima ou abaixo, sem fé.
Criamos e matamos em nome do tempo em que vivemos.
Não é sua culpa querida, nem minha, nem de ninguém, a culpa é do nosso tempo, sem tempo para parar e olhar ao redor.
No meu tempo, no seu tempo, no nosso tempo não era assim, não havia tempo para essas coisas.
A violência, os homens, o mundo, tudo agora faz sentido para mim.
Através da janela, com a cara colada no vidro, vemos nosso tempo acabar com tudo, inclusive com a vida, pois não há tempo para se preocupar com algo tão passageiro quanto a existência humana.
Não esqueça querida que somos nós que fazemos nosso tempo.

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUAL.A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.

9 comentários:

Augusto Sapienza disse...

Me senti um tanto acusado, mas só pude baixar a cabeça e dizer: "Sim, eu sei!"

Abração

*Caroline Schneider* disse...

É Augusto... faço minhas as suas palavras... e Alexandre, vou mais além... estamos esquecendo de cuidar de NÓS MESMOS... essa falta de tempo que mencionas tão enfaticamente em teu texto é a principal causa, se não de todos, da maioria dos males de nosso século, geradora de problemas de saúde, sociais, econômicos, morais, e poderia passar o resto da madrugada elencando os inúmeros problemas dela decorrentes... mas o que podemos fazer para evitá-la? Vejo por mim... agora são 2:30 da manhã, e não sei que horas irei dormir, pois ainda tenho um catatau de trabalho pela frente... e cedo terei que acordar (se é que chegarei a dormir), levar filha na escola, trabalhar período integral... Pelo menos, no meu caso, ainda tenho olhos para ver o que se passa ao meu redor, observar as belezas e agruras do mundo, pensar, analisar, ponderar... mas nem sempre é assim... então, a pergunta permanece... sobra tempo pra cuidar de si e do mundo?... Parabéns pela leitura de vida e pelo texto! Beijocas estaladas*

Flávio Otávio Ferreira disse...

Com o comentário da Caroline e difícil até de dizer algo. Afinal de contas é a mais pura verdade. Vivemos correndo atrás do que é vão, do passageiro, esquecendo por muitas vezes da gente mesmo. Sacrificamo-nos para conseguir tantas coisas que perdemos a noção do que é viver e aproveitar a vida. "Carpe Diem" fica esquecido diante de tantas ocupações!

Abraços!
Paz e Literatura!

Larissa Marques disse...

Alexandre, admiro você, por isso está qui, no Manufatura. Tem uma ternura que emana de ti, que não sei explicar bem. Talvez por ver-te sempre perto do mar, livre, em cima das pedras de Santos. Talvez por sua escrita apaixonada por nosso tempo, por nossas urgências. Talvez por ser um amigo nas horas necessárias.
Eu te admiro, meu caro amigo. Espero ler-te por aqui, por muito tempo!

Glauber Vieira disse...

Texto muito bem escrito, realista, muita gente pensa assim mas não tem esse talento para escrever. Parabéns, cara, começou bem.

Thin White Duke disse...

todo esse post, juntamente com os comentários está realmente uma aula que todos deveriam ler para pelo menos aprender algo...

mto com e consciente...

flew!

Alexandre disse...

Agradeço a todos os amigos (posso chamá-los assim). O fato de nos sentirmos incomodados com isso já faz de nós diferentes (é uma semente plantada em nosso subconsciente) que gerará frutos com certeza.
Vida longa e próspera a todos!

Mauricio disse...

Olá, vim do blog do Leandro Jardim.

Muito bom o texto e todo o blog, parabéns :o)

Ótimo fim de semana pra todos

do infinito impreciso disse...

adoro cartas!
tanto que postei agora uma.
acho um gênero lindo, que bom que vamos ter disso por cá.
parabéns pela carta bonita, alexandre.