segunda-feira, 23 de abril de 2007

O COMPROMISSO

Ah, o compromisso
de dizer em poesia
dizer, sim, mas sem
a flecha das cartas
e sem o levar omisso
elevar o sentido.

Ah, querido pacto
tão incompreendido
perdido em plásticas
palavras de edifício
arapucas, labirintos
as if is cool.

Ah, contemporâneos sem grafite
o erudito, tenho dito
limpando a meca é submisso
apertem os sintos
e vomitem o rei
que pra que serve eu não sei.

8 comentários:

Larissa Marques disse...

Que bom ser a primeira a comentar você, que querido!
Sou sua fã, queria ter essa ternura que você carrega no olhar e em seus poemas. É um prazer ter você em mais um projeto. O bagaceira foi nosso primeiro trabalho junto, e muitos outros virão. Você tem talento e é um conquistador nato!
Belíssimo poema.

*Caroline Schneider* disse...

Já eu gostei do "querido pacto"... pois sinto assim... parece um pacto que não se sabe com quem se fez... pacto incompreendido mesmo, um dédalo, labirinto... onde em idas e vindas nos perdemos e nos encontramos! Jardim... trazes flores em teu olhar e em tua poesia, inda que entre o concreto, ela lá está, lutando para desabrochar! Beijos, e parabéns pelas linhas!

marília passos disse...

sem a flecha das cartas e o levar omisso: que foda.

bom poema, rapaz ^^

Alexandre disse...

Vejo através do 'tempo que passa' novas maneiras de se juntar manias, maneiras e manhas de se fazer uma nova poesia. Muito boa mesmo!
Abraços

Me Morte disse...

Lindo Leandro! Poeta talentoso vc hein? Adorei! Beijão

Flávio Otávio Ferreira disse...

Bela Poesia..."compromisso de dizer o que deve ser dito, afinal de contas, a história conta os fatos; a arte conta o que está por d'trás dos fatos..."

[barba] Uonderias disse...

um pouco confuso para um leigo, mas foi lido e gostado!

Augusto Sapienza disse...

Belo texto Jardim, floresça sempre...