sábado, 28 de abril de 2007

Panquecas


Para depois do amor. Quando o desejo do amor não estiver mais presente no ar e o perfume se misturar com os odores do amor. Enquanto ela estiver naquele sono profundo do cansaço e você, lépido e faceiro, pensando em mais.
Levante, calce aquela chinela confortável e vá para cozinha. Não faça barulho. Feche a porta do quarto. A da cozinha também.

Bateu saudade?

Volte e abra silenciosamente a porta, sopre um beijo carinhoso na direção daquela boca que acabou de amá-lo. Volte para a cozinha com muito amor para dar.

Separe aquilo que vai usar: liqüidificador, xícara vazia, aquela espátula de cabo preto, frigideira. Atenção: ao pegar a frigideira, não esbarre nas tampas das panelas! Elas vão cair barulhadamente e acordar a amada.
Achou tudo? Ótimo. Vamos procurar os ingredientes. Da geladeira, dois ovos e o leite. Manteiga? Ok, hoje, sim. Pegue o saleiro e a farinha.
– Nossa, as bananas estão quase passando! Pegue uma.
No liqüidificador, coloque a banana (opcional), os dois ovos, uma xícara de leite, uma xícara de farinha, uma colher de sopa de manteiga (opcional) e uma pitada de sal. Eu sempre quis saber se existe alguma ordem para colocar as coisas no liqüidificador. Donas-de-casa sempre têm um motivo e uma explicação para a ordem seqüencial das coisas. Eu sei apenas que devemos tirar a calça antes da cueca. E, para colocar, a ordem é inversa.
Só ligue o liqüidificador se duas condições estiverem atendidas: porta da cozinha fechada, para não acordar o amor, e liqüidificador com tampa. Senão, em vez de tesão é pano de chão.
Pode ligar. Um minuto, dois, três, tanto faz.
Coloque a frigideira no fogo alto. Se a frigideira não for de tefal, vai grudar tudo, então coloque uma colher de manteiga na frigideira. Deixe esquentar bem.
É hora de colocar a mesa. Jogo americano, pratos grandes, garfo e faca. Guardanapos de papel.
A frigideira já está fumaçando, então coloque um pouco da massa de panqueca. Só o suficiente para cobrir a parte do fundo. Com movimento, espalhe a massa. E deixe assar. Assar? Fritar? Refogar? Dona-de-casa sempre sabe o nome de cada processo.
Começou a bronzear? Legal, com a espátula já dá pra ver que a massa solta da frigideira. Solte tudo e vire a panqueca. Viu só? Deixou de ser massa, agora é panqueca.
Rapidamente pegue outro prato grande para receber a pilha de panquecas. Pronto! A primeira panqueca sempre gruda um pouco. Depois piora. Ou melhora.
Coloque massa na frigideira e aguarde novamente.
Volte à mesa e disponha os copos. Açucareiro, geléias de uva, morango e minha predileta: damasco. Mel, canela em pó. Reposição de açúcar.
Volte para a frigideira e vire a panqueca. Muito bom. Esta já não gruda. Vira fácil com a espátula. Espere mais um pouco e esta já vai fazer companhia para a outra panqueca.
Massa na frigideira. Espere. Bronzeie. Vire. Empilhe. Tá ficando bom!
Massa na frigideira. Espere. Bronzeie. Vire. Empilhe. Tá ficando craque!
Massa na frigideira. Espere. Bronzeie. Vire. Empilhe. Yes!
Massa na frigideira. Espere. Bronzeie. Experimente jogar panqueca para virar. Vire. Yes! Empilhe.
Massa na frigideira. Espere. Bronzeie. Jogue panqueca para virar. Vire. Yes! Empilhe. Já está craque!
Massa na frigideira. Espere. Bronzeie. Jogue panqueca para virar. Plaffft! Droga de coifa!
Abra a lixeira e jogue uma panqueca fora.
Massa na frigideira. Espere. Bronzeie. Vire com a espátula. Empilhe.
Acabou. Sete panquecas. Quase oito, não fosse a gulosa lixeira.
Dê uma geral na cozinha.

Da geladeira, capture uma caixinha de suco de laranja e coloque na mesa.

Volte para o quarto convidando a amada com uma mordidinha na orelha. Não esqueça de abrir a porta antes de entrar.

※ ※ ※ ※ ※
Este texto é do meu livro Aventuras Culinárias.

8 comentários:

Glauber Vieira disse...

Ah, bendita seja a internet, que nos permite travar contato com gente tão talentosa!
Klotz, seu texto é dois em um: diverte e ainda ensina receita. Só te peço um favor: se o Aventuras Culinárias já tiver sido publicado, quero um exemplar!

Larissa Marques disse...

Como se não bastasse o amor, ser servida ainda por quem se gosta... Tem coisa melhor? Tem tem sim, ter o prazer de ler Roberto e esperar que te sirva de banquete uma leitura para deleite da alma. Se o Glauber é o primeiro da fila, sou a segunda, também quero o livro. Minha viagem vai dar frutos, anotem isso. A minha ausência temporária talvez nos renda nossa "Manufatura" como revista impressa. Espero poder contar com todos em mais essa empreitada.

Augusto Sapienza disse...

Klotz, seu texto é original e sublime! Se todos os livros de receitas fossem assim eu cozinharia bem melhor hehehehehe
Eu quero o terceiro exemplar, falando sério, me diga como adquirí-lo.
E quanto ao comentário da Larissa sobre a possível revista, seria algo tão empolgante quando esses textos daqui, veremos isso com calma e com todos...
Um grande abraço a todos!
PS: Quem não me mandou os dados ou tem que mudar o resumo, não esqueçam de me enviar! Abraços...

Alexandre disse...

Receita muito boa essa hein?!? Quem negaria?
Abraços.

[barba] Uonderias disse...

já não é espanto
adorei o texto
grande Klotz!!

Klotz disse...

Vocês são muito gentis comigo, obrigado. Infelizmente o livro ainda não foi publicado. No momento o máximo que posso fazer é convidá-los para algumas panquecas.
O meu drama é que toda vez tenho que limpar a coifa.

Flávio Otávio Ferreira disse...

Muito bom o texto...acho que vou me aventurar na cozinha viu? Talvez faça alguns arremessos!
Abraços a todos...
Paz e Literatura Sempre!

*Caroline Schneider* disse...

Cara... AMEI esta receita!!! Também estou na fila... quero muito este livro, não pra mim, não se assustem aqueles que sabem que ABOMINO A COZINHA, mas para meu amado... este sim, adora cozinhar e vai gostar do presente (risos incontidos). Klotz, iluminado sejas! Beijocas estaladas e com muita vontade de amor e panquecas*