segunda-feira, 5 de maio de 2008

Da estrela

as estrelas
são postes da noite
que
interligam
diversos caminhos
de cidades e estradas
intercelestiais.

tem aqueles que, tão-sozinhos,
satisfeitos pelo contato
com invisíveis fios
de particulas de noite,
onde pássaros universais
pousam e cagam sob nossas cabeças,

parecem pontos
que foram esquecidos
de ser pintados.

tem aqueles que,
juntos e constelatizados,
iluminam o que já está iluminado
por uma noite aleijada.

mas tem um poste,

pleonasticamente
falando

um único
e

poste,

sozinho,

que é verd(e) deiramente
uma estrela.

que quando a saudade
está me saudadiando,

olho pro céu todo postilizado,
e só consigo vê-la
me olhando.

André Espínola

2 comentários:

Larissa Marques disse...

saudades são saudades, embora essa palavra só exista em nossa língua... Maravilha de poema.

Deveras disse...

Saudade... Como já diria a música "palavra triste..."

Um tema bem inquietante, mas você mandou bem. Como sempre.

ficanapaz