terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Pétala

Cai a pétala cara a mim.
Rodopia no ar
criando nuances e cores
de pétala que vai.

É rubra enquanto cai, a pétala
que boiando no ar
tornar-se-á exangue.

Como dói ao olhar
o frenético sangrar
da flor voante.

Como sarar em meu corpo
o perene partir desta cor...?

Pétala faz parte do livro Outros Sentidos, lançado em junho.

3 comentários:

Rosa Cardoso disse...

Belo

Flávio Otávio Ferreira disse...

Belo poema, Barone!!!

Larissa Marques disse...

Barone, uma pétala! Maravilhoso!