segunda-feira, 10 de setembro de 2007

cruzes

Estão tentando riscar a morte das nossas vidas. Já não existe os olhos nos olhos (ou no vazio) que brilham por dentro do capuz. Nossos bichos mortos vem esterilizados em bandejas de isopor nos supermercados. E compre saquinhos de AB à parte se quiser uma galinha a cabidela. Nossos parentes ignoram a chegada da morte atados em máquinas que respiram, mastigam, apitam por eles e quando a hora chegar serão encontrados com uma miríade de fios nos pulsos e ninguém para segurar sua mão. E eles morrem e não seremos nós a fechar seus olhos e só nos dignaremos a vê-los de novo depois de vestidos na sua melhor roupa de festa, penteados, perfumados e corados da maquiagem lindamente aplicada para nos fazer acreditar que estão apenas dormindo. Dormindo! Como se tivessem esquecido que iam a alguma festa e dormissem naquela posição estúpida e desconfortável em seu caixotinho de madeira rodeado por velas e flores pretensamente cerimoniais (mas preste atenção, menino, preste muita atenção) mas que estão lá simplesmente para esconder a verdade que é o cheiro do morto, a verdade que é que ele está frio e que fede.
Posto que restam poucos a transitar na necrópole minguante e paralela, médicos, assassinos, funenários, açougueiros e matadouros e vez ou outra alguma criança que com crueldade inocente observa o peixinho que se debate ou esmaga uma aranha entre o indicador e o dedão. E que podem seguir em frente com olhos grandes e sem piscar e sem jamais, sem jamais desviar o olhar.

6 comentários:

Leandro Jardim disse...

Caraca, muito bom!

Muito bem observado! E, como de praxe, escrito com amplo domínio!

beijos queridos
Jardim

Ela disse...

Nossa , hoje eu só falei de vida e quando cheguei aqui... passei a refletir sobre a morte.
É um olhar diferenciado e marcante!

Larissa Marques disse...

Ler Czarina é sempre uma surpresa, apreciei o texto.
Beijo!

Deveras disse...

Uma boa reflexão... A respeito da morte e (por que não?) da vida.

ficanapaz

Glauber Vieira disse...

Bela reflexão muito bem escrita. Só um errinho de digitação: não é "funenário", mas "funerário".

medusa que costura insanidades disse...

Liberdade nas letras
dança com palavras