quinta-feira, 19 de julho de 2007

Almas


Almas pairam no ar
Dançam levemente
Ao som musical
De sua partida

Encontros eternos
Flamejam a aura
As mais dóceis
Faces do amor

A dor esquecida
Da separação
Vivem o sonho
Ao luzir os céus

Almas pairam no ar
Cantam alegremente
Ao som das vozes
De seu Deus

7 comentários:

L. Rafael Nolli disse...

Olá, Cláudia. Para um leitor desatento pode escapar a sutileza desse desencontro, dessa ruptura, narrada em teu poema, O som da partida, a dor esquecida da separação. Tal como pode escapar a sutileza que há no reencontro, onde há luz, e alegria. GOSTEI.

lena casas novas disse...

Invadiu minha´alma. Sem rimas e com um ritmo maravilho.ABS

Glauber Vieira disse...

Singelo, bonito, vc aproveitou-se do acidente pra fazer um texto realmente valoroso.
Particularmente,não acredito que essas almas partiram alegres; talvez recuperem essa condição depois, sei lá, quem vai saber né?.... Mas é só uma opinião.

Flávio Otávio Ferreira disse...

Uma bela poesia como sempre. Tem a simplicidade de quem faz uma oração. Talvez seja mais que um bailar de palavras em busca de um lugar de repouso!

Abraços poéticos!

Alexandre disse...

Uma homenagem muito bonita Claudia!

Beijos!

Claudia Menezes disse...

Agradeço a todos que postaram aqui com muito carinho .. Beijins para todos ..

*Caroline Schneider* disse...

Clau! Como sempre nos brindando com suas flores em forma de versos... que lindo! Beijocas estaladas!