sábado, 4 de agosto de 2007

Máscaras

Máscaras - Nicolas Delgado

resgatei pedaços
de máscaras deixadas no tempo
por restos rasgados de eus do passado
sentimentos postergados
folhas dilaceradas,
molhadas por tempestades escuras
queria navegar
pela razão que flutua
em mares além do horizonte
deixada em sustento ao pranto
que cegou-me os olhos
como vendas de encanto
em desatinado reencontro
floresci como hibisco roxo
e fiz-me exalar perfume ao vento
serenando corações petrificados
ofereci alento
hoje tenho a máscara do contentamento
que pulsa num sorriso
esbanjando adolescência
de saber-me livre das amarras da existência

Caroline Schneider


3 comentários:

Larissa Marques disse...

Quantas máscaras nos vemos obrigados a usar todos os dias, não é? e fiquemos assim, mascarados por toda existência! Belo escrito!

Claudia Menezes disse...

Que apaixonante essa poesia .. Linda demais .. Beijins

Glauber Vieira disse...

Belo texto Cláudia, melodioso, reflexivo...