sexta-feira, 8 de junho de 2007

Das mais cartas.

A,

Você não entende e não está ouvindo nada, está só se vendo nesse espelho idiota. Falando dos dias que não são, jogando as culpas pra mim e a maquiagem na bolsa, reclamando do tempo e do espaço, riscando os olhos e a boca, quando será que vai me ver? Esperar eternamente que eu resolva sua vida e seus problemas, amor, não vai dar. Qual é mesmo o seu nome? Você nem sabe mais. Me pergunta todas as noites e esquece que o faz, troca de roupa e finge mudar, pelo amor dos deuses, SEJA. Não quer me ver, ótimo, mas seja. É degradante esse sorriso cínico e, entenda, não é só a mim que destrói.

Cansei dessas máscaras eternas, de piadas internas, de frios irresolutos, de brincadeiras estúpidas, de fingir e de novo fingir.
Você ainda é A.?

Entre nadas e nadas, você constrói uma nova vida velha, repare só no seu ridículo, e, dentre todos os ridículos, o único que não entendo é, ainda assim, amar você. Será que me fiz hábito? Ou é só falta de mim? Quanto mais você abre essas portas, mas eu penso em ir mesmo, como é que você vai lidar com a solidão sozinha? Não me preocupo mais, mas, sim, repare, está se manchando ali na direita.

Ajeite os brincos e vá dançar, A., há alguém esperando. E, quer saber, posso até apostar que é você na próxima porta. Boa sorte e não me volte: mas me chame. A droga inteira da vida é justamente essa, querer que você me ame. Caminhos opostos, pois muito bem, falei sério, embora eu chore, não implore, ainda que em silêncio... Vá dançar, A. Cuidado com os saltos, eles quebram.

4 comentários:

Larissa Marques disse...

Marília, suas cartas são maravilhosas, deveria fazer uma coletânea com elas, esse confessional muito me atrai.
Beijo!

Glauber Vieira disse...

Uma idéia simples e muito boa foi ter qualificado a personagem como "A", simbolizando dessa forma qualquer pessoa, incluindo nós mesmos. Quanto ao texto em si, é maravilhoso. E concordo com a LArissa, vc poderia reunir esse tipo de texto em um livro só.

Glauber Vieira disse...

Ei manufatureiros, o que houve? Esse texto merece mais comentários!

Marília Passos disse...

a bem da verdade eu apreciaria mesmo mais comentarios :)
inclusive criticos.

tenho sentido falta ate de pedras, por aqui, inclusive nos primeiros textos...

nao se acanhem, oxe, eu lido bem com criticas :P

e obrigada aos elogios, tb :)
quem tiver a dizer, por favor diga ^^