sábado, 9 de junho de 2007

QUENTE MEMÓRIA

Quem te levou
quente memória?
O fim que te mora
é frio agora?
Onde queda essa ausência
que em vão demora?

Não sei, não sei.
Não sei da tua hora,
rosto ou seio,
a quem sorri o corpo.
E o olho come alguém?

Não, meu bem, não sofro.
É que a procura de um poema
pede pena, pede pena
e um tantinho de amor também.

8 comentários:

Larissa Marques disse...

Essa é canção, consegui cantar. E quantos momentos quentes esfriam, são ignorados, são por vezes esquecidos...
Ansiedade abrandada, beijo grande, enorme!

*Caroline Schneider* disse...

sim... o olho come, é o início de tudo, inclusive, da quente memória... Beijocas estaladas, schön!

Thin White Duke disse...

gostei, sobretudo do final!
:D

flew!

Me Morte disse...

A gente lê e já imagina uma melodia. Muito bonita, simples, singela, linda mesmo.

Claudia Menezes disse...

Adoro as coisas q vc escreve .. Tá lindo .. Beijins =]

Marla de Queiroz disse...

Lindo!
Sempre tão sonoro!

Beijo.

Alexandre disse...

Muito bom, muito bom!
Abraços.

Lunna disse...

A gente sempre esquece alguma coisa.
Abraços