sexta-feira, 25 de maio de 2007

Convidado: Aluisio Martins

ABRAÇO PERFEITO
Não há rasuras nesse amor tão vívido
Não há fissuras dado que vivo ávido
Quem saberá das idas, dos meios e dos fins?
Lembro do nosso quero bis
Nós vestidos de querubins no bosque das letras
Minhocas enrroscadas nas raizes dos desejos
Sequestrando muito além de carbonos e outros venenos
Dos orvalhos que desciam das tuas palavras noturnas
Verti todos os líquidos
Gota por gota
Minhas lágrimas
Vivo entre espinhos que esgrimam
com a felicidade de existirmos uma vez mais



Aluisio Martins é cronista, ficcionista, poeta, nascido em 1967, em Fortaleza, Ceará, profissional na área de desenvolvimento e gestão de projetos voltados para a cultura e desenvolvimento social e edição de livros.
Sua poesia assim como sua prosa informal, intimista, provocadora e ao mesmo tempo encantadora e sedutora e promovendo uma explosão de temas, cores, sensações, que transita do choro ao riso, do prazer ao ranço, do inferno ao paraíso num só verso. Consegue muitas vezes em apenas um texto despertar amores, ternuras e rancores adormecidos, e nos convida não só a reflexão, mas também à ação.
Aluisio tem um ritmo próprio, é uma metralhadora de metonímias, aliterações, metáforas, alegorias, e consegue instigar nossos sentidos a sensações extremas.
Encontre mais de Aluisio Martins em:
http://fenosefenotipos.zip.net/

5 comentários:

Marla de Queiroz disse...

Sou fã fervorosa desse moço.
Ele me inspira!
Delícia encontrá-lo aqui, tecendo abraços...

medusa que costura insanidades disse...

que poética linda,original......fissurante!!!

lena casas novas disse...

Caraca a Blogosfera não é mais a mesma! Nossa quatos blogs coletivos.Isso que eu camo de empreendedorismo.Sucesso a todos!

--------------
quero um abraço.rsrsrs...

Larissa Marques disse...

Chamo o Aluisio de Benicio del Toro, acho o moço um galã! Ele me achou na internet, no recanto das letras, elogiou um poema meu. Claro o achei lindo quando conheci, é inegável que ele é bonito. Mas conheço o menino, o moleque, o moço e o homem Aluiso. Um menino que ama a vida, como se todo dia fosse seu dia. Um moleque que faz a gente rir de tudo, ´mesmo estando triste. O moço que é fotógrafo e lança seu olhar sobre a realidade. E o homem, poeta e amigo, das horas felizes e tristes, né irmão?
Chêro pra você!

*Caroline Schneider* disse...

Que alegria encontrar Aluísio por aqui! Mais que alegria... uma honra!!! Brindar-nos com poesia da mais alta estirpe! Aff, me abanem, sim? Rsrsrsrsrs. Não tecerei mais comentários do que o óbvio: AMEI!!! Beijocas estaladas*, espero te encontrar mais vezes por aqui, querido.