sábado, 12 de maio de 2007

Na fábrica

Fez-se uma fila que se estendia de um lado a outro do corredor que dava acesso à sala do diretor da fábrica, Sr. Hernandes. Vinte e dois funcionários esperavam ansiosos alguma informação sobre o motivo dessa convocação inesperada. Dentro da diretoria estava Luciano, supervisor-geral; Valesca, funcionária da fábrica; José, o faxineiro e o próprio diretor.

A reunião já durava trinta minutos. Por todo o corredor os boatos eram unânimes: finalmente descobriram o romance entre Valesca e Luciano. Teriam encontrado os dois no galpão de limpeza, ou aos beijos em um dos elevadores. O amor proibido era talvez a base do relacionamento. Ele era um homem sério, de poucas palavras, tinha esposa e dois filhos. Ela morava sozinha, não o amava, era inteligente o suficiente para não o amar, queria deixar de ser uma simples empregada que tinge os tecidos fabricados para ser uma secretária, usar terninho e salto alto. Porém o romance crescia. Pouco a pouco estavam mais próximos, entregando-se mais, como conseqüência, estavam menos cuidadosos em esconder o affair.

Ouvia-se o choro da moça dentro da diretoria, ela parecia desesperada. O supervisor saiu da sala juntamente com José. Os dois tinham o semblante fechado, preocupado. Luciano se dirigiu aos empregados e comunicou o falecimento do vice-diretor, Adalberto. A inquietação de todos fez o diretor aparecer trazendo Valesca que ainda tinha os olhos inchados e soluçava muito. Hernandes explicou aos funcionários que o vice-diretor fora assassinado essa tarde. A decepção no rosto dos funcionários era visível. Os comentários sobre o relacionamento de Valesca e Luciano abafaram a morte de Adalberto.

- A partir de agora, todos devem permanecer na fábrica. A polícia foi chamada e se prestará a ouvir os depoimentos de cada um.

Ninguém concordou com as ordens dadas, passava das oito horas da noite. O expediente terminava às sete e meia.

- É melhor não contrariar e acabar perdendo o emprego – disse Luciano. Os empregados foram aconselhados pelo supervisor e acabaram cedendo.

Os policiais chegaram em quinze minutos. Iniciou-se o longo interrogatório. As principais suspeitas caíram sobre Luciano, com a morte de Adalberto, ele seria o novo vice-diretor. Mas em seu depoimento o supervisor apontou um álibi, passara a tarde inteira com o diretor Hernandes conferindo o funcionamento da máquina de tear recém-adquirida.

O depoimento de Valesca foi o mais demorado. De acordo com o que disse a moça, ela havia encontrado Adalberto morto quando foi tingir os tecidos que estavam prontos. Entrou na sala de cozimento das tintas e viu o cadáver sobre a escrivaninha. Jazia com uma faca cravada no pescoço. O defunto segurava a arma que o matou como se tivesse tentando retirá-la com a energia que lhe restou após se defender do assassino.

Luciano ouvia tudo que a moça dizia. Mais tarde, quando os policiais terminaram o interrogatório, ele segurou os braços de Valesca com toda força. Perguntou se ela realmente não era culpada, se não fez aquilo para ele subir de cargo na fábrica e deixar de ser um supervisor. O amor proibido dos dois estava indo longe demais. A moça respondeu que não, que jamais teria coragem de matar alguém. Luciano sabia que era mentira. Sabia também que ela seria capaz de mentir muitas outras vezes.



p.s.: em um conto pequeno, é normal a confusão de personagens

7 comentários:

Thin White Duke disse...

mto bem escrita e conduzida a história... apenas no final que talvez poderia ter sido melhro, mas o conjunto da obra se sobressai
eaiuaehiuaeea

flew!"

Me Morte disse...

Eu gostei,é um daqueles contos em que fica a dúvida, a expectaviva. Muito bem conduzido e encerrado. Talvez a falta daquele tchân no final seja proposital, um possivel "Fábrica II"?rss...Beijos

[barba] Uonderias disse...

sim, sim
totalmente proposital!

Glauber Vieira disse...

Barba, vou copiar o comentário que fiz lá no Bar: parece que vc foi assassinado antes de terminar o conto, rs, rs...
Olha, a história tá legal e bem escrita, mas realmente falta um apuro melhor nesse final. E não nos deixe curiosos: afinal, quem matou Adalberto?

[barba] Uonderias disse...

auhahuaauhuahuh


[segredo!!!!!]

Larissa Marques disse...

Não sei porque as pessoas insistem em finais mirabolantes em contos, é alguma regra isso?
Para mim está muito bom, e não precisa de outro fim.
Beijo!

Flávio Otávio Ferreira disse...

Bom texto, gostei.