quinta-feira, 3 de maio de 2007

O centro que me tira do eixo

Por que você fica mais à esquerda
Do meu, por ti, já pequeno peito
Se você vira o centro do meu ser
Nos receados ou ávidos momentos?

Talvez por isso que na glória ou perda,
No sol a pino ou no meu leito,
Você tire esse ser torto do seu eixo,
Já que pesa mais nesses momentos
Tais onde emaranha-se denso!

E sendo um fadado centro,
Mas não estar, em mim, centralizado,
Tira-me o eixo e me e se contraria...
Rompendo-nos, nos ligeiros giros,
Nessas revoluções em forma de dias...

Augusto Sapienza

11 comentários:

Larissa Marques disse...

Já havia lido esse texto, aliás foi publicado no "bagaceira".
Adoro o poema.
Beijo grande!

Alexandre disse...

O 'centro' é uma questão de ponto de vista!
Belo poema.
Abraços

Augusto Sapienza disse...

Toda a percepção parte de um "ponto de vista", como diria nosso mestre Pessoa:
"Porque nós somos do tamanho do que vemos / e não do tamanho da nossa altura"

Grato pelos elogios...

*Caroline Schneider* disse...

Fiquei maravilhada com a TUA percepção... colocastes em forma de poema uma conjuntura de pensamentos e lógica que fica até difícil de comentar o que senti ao ler. Um "bravo!" pra ti fica bem à altura, rs. Beijocas

Glauber Vieira disse...

É um texto bem interessante e original. Poemas sobre coração são muitos, mas partindo-se de sua localização orgânica foi o primeiro.Nota 10!

Leandro Jardim disse...

Rapaz, muito bom poema! Um tanto difícil para os moldes contemporâneos mas muito bom... metáforas interessantíssimas!

Dá mesmo pra notar forte inflência do mestre Pessoa!

abraço Jardineiro

[barba] Uonderias disse...

eu queria não ser leigo e reconhecer influências tb
=/

gostei!

Lunna disse...

Um eixo? Sempre o perco quando me deixo conduzir pelas emoções...
Que delícia.
Abraços

Flávio Otávio Ferreira disse...

Sem o que dizer diante de multiplas sensações! Belo Poema!
Abraços
Paz e Literatura sempre!

Augusto Sapienza disse...

Obrigado pessoal!
Bem, como alguns já sabem, eu tenho um outro blog com todos os meus poemas (mas não só meus). Se quiserem, vejam: http://tomospoeticos.blogspot.com

Abraços

Anônimo disse...

Sim, provavelmente por isso e