quinta-feira, 10 de maio de 2007

De novo

Estou feliz,
Não nego.
Açucarei
Esse copo de mágoa
Que carrego

Vem,
Coisa boa,
De novo se embrenha
Nos cabelos-cinza
Calor requeimado
Da minha
máquina
de amor a lenha.

11 comentários:

Alexandre disse...

Belíssimo poema, curto e com todas as letras possíveis.
Bjs.

Larissa Marques disse...

O mais ficícil é se colocar nessa máquina, para se queimar... Amei.

Leandro Jardim disse...

Hehe, muito bom!! spicy!

:P

Glauber Vieira disse...

Simples e eficiente... e quente! Parabéns.

[barba] Uonderias disse...

waaaaaaw!
gosto do que vc escreve

Claudia Menezes disse...

Linduuuuu !!! Gostei .. Bem suave .. Beijins

*Caroline Schneider* disse...

Adorei... "açucarei / esse copo de mágoa" Muuuuuito bom o poema! Digno de uma Czarina! Beijocas estaladas*

Mão Branca disse...

aqui tá cheio de gente boa!

Flávio Otávio Ferreira disse...

muito bom o poema.
Gostei bastante!

Augusto Sapienza disse...

Como um amor curto e profundo ou como uma lenha boa de se queimar...

Beijos poéticos

medusa que costura insanidades disse...

Reli muitas vezes o poema antes de dizer quisquer coisa.não para tentar dizer algo inteligente, mas para ficar menos emudecida diante deste "copo de mágoa "
este poema...sua escrita me abrasa...